terça-feira, 25 de agosto de 2009

ARQUIVAMENTO DOS PROCESSOS NO CONSELHO DE ÉTICA DO SENADO FEDERAL

Abrindo com chave de ouro: no dia 19 de agosto de 2009, o Conselho de Ética do Senado Federal arquivou todas as denúncias contra o Presidente da Casa, Senador José Sarney. Destaque-se que o arquivamento foi liminar, tratando-se, na verdade, de um não conhecimento, pois não houve qualquer julgamento.

Eis aqui as acusações que constavam dos 11 (onze) processos arquivados e que o Conselho de Ética do Senado Federal entendeu que não precisavam ser sequer investigadas:
a) Publicação de atos secretos durante a gestão do acusado;
b) Intermediação de crédito consignado para os servidores da casa por uma empresa do neto do acusado;
c) Nomeação do namorado da neta do acusado para ocupar cargo de confiança na Casa;
d) Irregularidades num patrocínio de R$ 1,3 milhões envolvendo a Petrobrás e a Fundação Sarney;
e) Ocultação por parte do acusado de uma mansão em Brasília no valor de R$ 4 milhões que não constava como de sua propriedade;
f) Quebra de decoro por parte do acusado, que disse não ter vínculo com a Fundação Sarney, quando, na verdade, ocupa o cargo de Presidente Vitalício;
g) Denúncia de que um ex-assessor do acusado teria se valido da posição de ex-policial para repassar informações privilegiadas ao filho do acusado; e
h) Omissão da declaração de transação de terra do acusado, com a finalidade de sonegar tributos.

Segue a lista dos Senadores que compõem o Conselho de Ética do Senado Federal e os seus respectivos votos (dificílimos de encontrar na mídia, apesar de a votação ter sido aberta) que provocaram o resultado de 9 a 6 para o arquivamento de todos os processos contra José Sarney:

01) Votaram pela abertura das investigações:
a) Demóstenes Torres (DEM-GO)
b) Eliseu Resende (DEM-MG)
c) Marisa Serrano (PSDB-MS)
d) Sérgio Guerra (PSDB-PE)
e) Rosalba Ciarlini (DEM-RN)
f) Jefferson Praia (PDT-AM)

02) Votaram pelo arquivamento das investigações:
a) Wellington Salgado (PMDB-MG)
b) Almeida Lima (PMDB-SE)
c) Gilvam Borges (PMDB-AP)
d) Inácio Arruda (PC do B-CE)
e) Gim Argello (PTB-DF)
f) Romeu Tuma (PTB-SP)
g) João Pedro (PT-AM)
h) Delcídio Amaral (PT-MS)
i) Ideli Salvatti (PT-SC)


Em tempo, destaco que, na mesma data, TODOS OS SENADORES que compõem o Conselho de Ética do Senado Federal votaram pelo arquivamento sumário da representação que existia contra o Senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), entendendo, portanto, que não merecia investigação as acusações de que ele havia ultrapassado o limite previsto para as despesas de saúde (com gastos com a sua mãe), bem como de que ele havia mantido por muitos meses o pagamento de um servidor que estava morando na Europa. Destaque-se que, neste último caso, nem se trata de acusação, vez que o referido Senador confessou em plenário tal irregularidade!

Estes são os dados, caros leitores... Estejam atentos para o posicionamento daqueles que foram eleitos em seus respectivos Estados. Este blog continuará a monitorar as notícias relevantes que estejam relacionadas ao episódio.

7 comentários:

Bretas disse...

Texto muito bem escrito! Parabéns Marden! Engraçado... sonhei essa noite com o Wellington Salgado puto porque não tinha conseguido aumentar o próprio salário.

Ass: Daniel lá da pelada de quinta

Brinco disse...

Um absurdo a mémoria da política brasileira, assim como esses acordos politicos que em resumo dizem assim: "olha, tu não me ferra que eu também não te ferro". E com isso quem era oposição vira aliado e por aí vai.

Raul Nepomuceno disse...

Parabéns pela iniciativa, Marden. Virei sempre por aqui, já está nos meus favoritos.

P.S. Eita, Inácio Arruda! Quem te viu, quem te vê... Votando pelo arquivamento das representações contra José "The Godfather" Sarney. "Homem da luta do povo!"

Carlos Marden disse...

Pois é, cara... Por isso acho importante essa divulgação! Os votos desses caras têm que colar neles e servir de estampa nas próximas eleições!

RODRIGO disse...

Absurdo completo! Alguém sabe informar se o MPF está investigando tudo isso? Estou divulgando ao máximo este blog para que chegue ao conhecimento do maior número de pessoas possível. Se o caso não estiver sendo alvo de investigação pelo MPF, sugiro a divulgação do email de contato do MPF do DF para cobrarmos o ajuizamento de ações civis públicas.

Adriano disse...

A dúvida que remanesce é a seguinte: quantos dos que votaram pela investigação teriam adotado a mesma postura, caso fosse o governo do seu partido que estivesse na berlinda? O voto pela defesa da ética e da moralidade parece sempre seguir certas "conveniências" político-partidárias, não traduzindo qualquer demonstração de "espírito público" de nossos representantes.

Carlos Marden disse...

Com certeza, por isso que eu fiz questão de ressaltar que, quando o "julgado" foi o Arthur Virgílio, TODOS os membros do Conselho de Ética votaram pelo arquivamento! Exatamente para não parecer que eles são os bons moços da história...